Análises

Éderson: uma luz no fim do túnel

Desde as saídas de Lucas Romero e Lucas Silva, o meio-campo do Cruzeiro foi intensamente desfalcado. A venda do argentino ao Independiente (ARG) e o fim de empréstimo do brasileiro transformaram uma posição que, outrora, era uma das mais bem servidas do elenco em um poço de carências e incertezas.

Após isso, o time celeste vem sofrendo muito para encontrar o companheiro ideal para o capitão Henrique. Ainda na era Mano Menezes, Ariel Cabral era o mais utilizado, mas o jogador não contava com tanto prestígio da torcida azul e, Rogério Ceni, atual comandante, já disse enxergar o argentino apenas como primeiro volante, função desempenhada por Henrique. Jadson também foi testado, mas não agradou. 

Em sua estreia contra o Santos, Rogério surpreendeu e botou o lateral Dodô no meio-campo, mas a mudança não durou muito. Por circunstâncias do jogo, o lateral retornou à sua função de origem. O próximo testado na posição foi Robinho. O camisa 19 atuou como segundo volante contra CSA, Vasco, Internacional e Grêmio. A experiência não foi nada agradável, afinal Robinho não ofereceu a marcação e imposição física que a equipe necessitou. Os resultados foram negativos, principalmente as goleadas sofridas para a dupla Gre-Nal. 

Depois do furacão vivido na semana das duras derrotas, Ceni afirmou em coletiva que talvez fosse necessário para o momento do time um pouco mais de pegada no meio-campo azul. Com poucas opções, Éderson foi o escolhido para ser a dupla de Henrique no jogo contra o Palmeiras. Mesmo com a derrota, o jovem de 20 anos agradou a torcida celeste. Éderson deu força física e marcação ao time de Ceni, que se mostrou muito mais compacto taticamente do que nas rodadas anteriores.

Veja abaixo, coletiva de Éderson, do dia 18 de setembro:

Éderson

Nascido em sete de julho de 1999, o volante de 20 anos surgiu no Desportivo Brasil e logo foi chamou atenção da Raposa, que trouxe o jogador por empréstimo com opção de compra. Após um período na base celeste, Éderson foi oportunizado por Mano Menezes e ganhou algumas chances no time principal em 2018. Em seguida, o Cruzeiro fechou negócio por 50% dos direitos econômicos do jogador, em uma transferência de 1 milhão de reais e um contrato de 4 anos.

O volante teve passagem pela Seleção Sub-20 do Brasil, em 2018.

Sequência na temporada

Agora, a expectativa é para saber se Éderson se tornará titular absoluto do esquema de Ceni. O volante engatou o terceiro jogo seguido como titular, no empate em 0 a 0 contra o Ceará. Apesar da criticada atuação da equipe, Éderson se destacou, quase marcou um golaço e foi eleito melhor em campo pela Rádio Itatiaia.

Em entrevista à rádio, o volante se mostrou empolgado com seu desempenho e por estar chegando cada vez mais à área. “Estou me condicionando cada vez mais, pois é minha característica chegar à área e finalizar. Estou me condicionando mais, enquanto a bola não entra. É continuar trabalhando em busca dos três pontos”.

Éderson: uma luz no fim do túnel, para o time do Cruzeiro
Éderson foi eleito o melhor em campo na partida de ontem (25) – Crédito da foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Números do jogador

O jovem que fez seis jogos, sendo cinco como titular, na atual edição do Brasileirão teve bom desempenho: 85% de aproveitamento em passes, uma média de 1,2 interceptações por jogo e 1,3 desarmes, 56% de aproveitamento em disputas, nove faltas sofridas e nove cometidas, entre outros números.

Veja também: Após problemas com Thiago Neves, Rogério Ceni pode deixar Cruzeiro

Deixe seu comentário

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar