Notícias

Presidente do Cruzeiro afirma que ficou com o “bagaço da laranja” no clube; ex-presidentes rebatem

Wagner Pires Sá afirma ainda que tem ficado mais pobre, durante seu mandato

A torcida do Cruzeiro não está nada feliz com seus dirigentes e parece que estes estão se esforçando para piorar a situação. Após a esdrúxula coletiva de imprensa protagonizada por Itair Machado (assista abaixo), foi a vez do presidente do Cruzeiro, Wagner Pires Sá, causar revolta com suas declarações.

O presidente foi filmado na “Feijoada do Cruzeiro”, evento realizado pelo clube, afirmando que ficou com o “bagaço da laranja”, fazendo referência a situação do clube. Aproveitando a música de Zeca Pagodinho, com o mesmo nome da expressão, Wagner afirmou: “Essa música, essa música é efetivamente essa situação do Cruzeiro. Eu fiquei com a mamucha (sinônimo de bagaço) da laranja. Sobrou pra mim”.

E não parou por aí. O vocalista da banda que tocava entrou na “brincadeira” e perguntou se tinha realmente sobrado o “bagaço da laranja”. Wagner então foi mais longe e afirmou: “A maioria dos que vieram aqui, vieram para ficar ricos. Eu já era rico, tô ficando pobre”.

Veja o vídeo onde Wagner fala sobre ter ficado com o “bagaço da laranja”:

O Cruzeiro não se manifestou sobre o assunto.

Ex-presidentes rebatem

Mas se o Cruzeiro não se manifestou, o ex-presidentes não deixaram barato. Zezé Perrella e Gilvan de Pinho Tavares não receberam bem as falas de Wagner Pires e rebateram as declarações.

Lixo do lixo

Zezé chamou Wagner de o lixo do lixo, em entrevista ao Superesportes: “Ele tinha que ter coragem de dar o nome (dos presidentes que enriqueceram no clube) e apresentar as provas. Ele deixou todos os ex-presidentes mal. Se ele for homem, ele tem a obrigação de dar o nome ou os nomes. Eu tenho é vergonha de ter um presidente desse. A mesma vergonha que todo cruzeirense está sentindo hoje. Bagaço da laranja? Um cara que nem foi a estádio de futebol até ser presidente, rapaz. É o lixo do lixo!”, disse Perrella.

E ainda foi mais longe, afirmando que Wagner não é rico e tinha participações em atividades ilegais: “Se você pegar a declaração de Imposto de Renda dele, você vai ver que ele nunca foi rico. Tem uma pequena participação em uma empresa. E mexia com negócio de bingo, que é ilegal”.

Devia ter bebido muito

Gilvan de Pinho Tavares também não deixou as declarações de Wagner baratas e chegou a falar, ao Superesportes, do ex-presidente estar frequentemente embriagado e das suas dificuldades em se expressar: “Eu examinei o vídeo e achei aquilo até hilário. A gente sabe da dificuldade que ele tem para se expressar, tanto que ele fala pouco, delega muito para os outros, exatamente porque não tem facilidade de se expressar. E naquele vídeo ele estava numa farra, devia ter bebido muito e acabou se expressando de forma inconveniente. Ele sabe que faltou com a verdade, porque não pegou ‘bagaço’ no Cruzeiro”.

O ex-presidente celeste também criticou a gestão de Wagner: “Ele teve nas mãos um time de futebol montado, que tinha acabado de ser campeão da Copa do Brasil (2017). Deixamos tudo pronto, tanto que esse elenco que nós deixamos acabou sendo campeão mineiro em 2018, campeão da Copa do brasil em 2018 e campeão mineiro em 2019. O mesmo time que deixei para ele. Com incompetência, eles se desfizeram de peças importantes, estão desmantelando o time, e deixando o time nessa situação de risco de rebaixamento. Ele faltou com a verdade”, acrescentou.

Coletiva de Itair

Outro pronunciamento muito criticado foi a coletiva de Itair Machado, do último dia 27. Abaixo você poderá assistir na íntegra o que disse o vice-presidente de futebol do Cruzeiro.

Veja também: Cruzeiro enfrenta o Goiás, fora de casa, em jogo de vida ou morte

Deixe seu comentário

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar