AnálisesCategorias de base

Vinícius Popó deveria ser testado no ataque do Cruzeiro?

Com atacantes celestes em má fase, nome do jovem, destaque na base, surge com força entre os cruzeirenses

Quando um time ou jogador não vem apresenta o que se espera dele, é comum que o torcedor logo pense naquele jogador que se destaca nas categorias de base e que promete ser o próximo craque do Brasil. E com o Cruzeiro não é diferente. Com Fred e Sassá, como todo o ataque celeste, vivendo péssima fase, um nome frequentemente surge nas conversas de torcedores: o de Vinícius Popó.

O jovem jogador é considerado a maior promessa das categorias de base do clube. Artilheiro nas equipes jovens, Popó tem 18 anos e uma contagem extensa de mais de 130 gols. Apesar do grande desempenho nos juniores, Popó recebeu apenas quatro chances no time profissional celeste, saindo do banco em todas as oportunidades e tendo jogado somente 48 minutos, somando todas as partidas.

Agora, com a má fase de Sassá e a desconfiança em Fred para o jogo desta noite, visto que o camisa 9 celeste jamais marcou gols contra o Fluminense desde que deixou o Time das Laranjeiras, o nome de Popó passou a ser ainda mais comentado pela torcida celeste. Mas a pergunta que fica é:

Vinícius Popó deveria ser testado no Cruzeiro?

Bom, colocar jovens numa situação de tamanha pressão do clube é algo muito arriscado, pois facilmente um jogador promissor pode ser “queimado” por uma torcida raivosa. Apesar de tudo, pela expectativa depositada sobre e posição em campo, Popó poderia, talvez, ser poupado, inicialmente, pela crítica torcida celeste.

Pontos positivos

Um ponto positivo de uma eventual entrada do jovem é a famosa frase do político/humorista Tiririca: “Pior que tá, não fica”. Com Fred balançando as redes apenas em penalidades máximas e Sassá sendo triatleta: corre, tromba e nada, Popó no máximo seria mais um jogador nulo em campo. Quem sabe até não estourava, como fato novo, e guardava umas bolas na rede?!

Pontos negativos

Apesar desses fatores positivos, duas situações pesam contra a utilização do jogador. A primeira é seu posicionamento. Vinícius Popó é homem de área. Definidor. E um dos principais problemas do Cruzeiro tem sido a crianção. O time produz muito pouco e dificilmente chegam bolas para os homens da frente finalizarem. Ou seja, existe grande chance de, se jogar, Popó ficar encaixotado dentro da zaga adversária, sem receber uma mísera bola para chutar à gol.

Outro fator negativo é que Popó não vem tão bem na base nos últimos meses. Inclusive, o destaque do ataque tem sido outro, o centroavante Thiago. Vinícius tem tido dificuldade para marcar gols, apesar disso contar pouco mais que nada no profissional, o que prejudica uma eventual oportunidade dada por Abel Braga. Em 28 partidas no ano pelo sub-20 celeste, lembrando que o atacante ainda está no primeiro ano da categoria, Vinícius Popó tem 11 gols e seis assistências.

O treinador celeste, inclusive, é uma faca de dois gumes, na situação. Conhecido por trabalhar bem com jovens da base, Abelão, por outro lado, confia em Fred, com quem já trabalhou e foi campeão. Portanto, tomando o técnico como base, é difícil saber se Popó terá oportunidades.

Acredito que Popó não deva ganhar chances em 2019. Exceto pro algum problema de lesão dos jogadores mais experientes, ou algo do tipo. Mas, numa situação extrema, não vejo motivos para não testar. Afinal, como diria Tiririca: “Pior que tá não fica”.

Leia também: Há um ano, o Cruzeiro vencia jogo ida da final da Copa do Brasil; comparamos os times

Deixe seu comentário

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar