ColunasTBT

TBT #5: Cruzeiro 6×1 Atlético – 38ª rodada do Brasileirão de 2011

Relembre essa página heroica e imortal

Você sabe o que significa TBT? Não? TBT é a abreviação de throwback thursday, e é uma hashtag constantemente usada no Instagram. Às quintas, os usuários da rede social costumam postar fotos antigas usando #TBT, com o objetivo de recordar essas lembranças. Agora, o TBT estará presente no Mais Cruzeiro. Toda quinta-feira, iremos relembrar um jogo marcante da gloriosa história da Raposa.

Em semana de clássico, nada melhor do que relembrar esse dia histórico, onde o Cruzeiro humilhou o rival e se livrou do rebaixamento para a Série B. No quinto episódio da série, essa apoteótica goleada celeste será relembrada pelo Mais Cruzeiro.

O contexto

Após empatar com o Ceará, o time cruzeirense entrou em uma das semanas mais decisivas de sua história. Se perdesse na última rodada, justamente contra o rival Atlético-MG, o time fatalmente seria rebaixado pela primeira vez em todos os tempos.

Além disso, o clima de oba-oba que pairava pela torcida atleticana era enorme. Também, pudera, não é todo dia que se tem oportunidade de derrubar a sua maior sombra de sempre: o Cruzeiro.

Desfalques do Cruzeiro

Tudo que está ruim ainda pode piorar. Foi assim que o time celeste recebeu as notícias dos desfalques de seus principais jogadores: o goleiro Fábio e o armador Montillo, que estavam suspensos. As responsabilidades de substituí-los caíram nas costas do então jovem arqueiro Rafael e do veterano Roger, que não estavam, nem de longe, nos níveis do camisa 1 e do camisa 10. Além disso, o volante Marquinhos Paraná também não pôde atuar por questões suspensivas e Charles entrou no time titular.

O jogo

Mágica. Apenas essa palavra pode definir o 6 a 1. Só a mágica e a grandeza do Cruzeiro puderam fazer o que o limitado time azul jamais faria caso vestisse qualquer outra camisa. Até o armador Roger comentou sobre isso após o jogo.

De forma ímpar e em conexão com a torcida, que antes do jogo chegou a rezar o “Pai Nosso”, a Raposa entrou extremamente ligada. Com muita raça e vontade, a equipe celeste amassou o adversário e engoliu a partida. De fato, nem parecia com o sofrível time do campeonato inteiro.

Os gols

Primeiro

Em jogada sensacional de Anselmo Ramon, o consagrado meia Roger marcou o primeiro gol daquela tarde de domingo. Logo aos oito minutos do primeiro tempo, a porteira estava aberta

Segundo

Um gol de superação. Leandro Guerreiro perdeu o sogro na reta final do campeonato e sua esposa teve gestação interrompida às vésperas do clássico. Entretanto, ele fez jus ao nome e foi ao jogo mesmo assim. E numa falta alçada na área o volante subiu mais alto que todo mundo e deixou sua marca.

Terceiro

O atacante Wellington Paulista aproveitou bobeira de Réver e fez boa jogada pela direita. Em seguida, tocou para Anselmo Ramon que, por sua vez, fez um lindo pivô e deixou o zagueiro Léo Silva no chão. Depois, tocou para as redes entre as pernas do goleiro Renan Ribeiro.

Quarto

O volante Fabrício sempre foi sinônimo de raça e entrega. Além disso, costumava dar bons chutes de fora da área. No fim do primeiro tempo, o jogador, que foi capitão naquela ocasião, recebeu boa bola e encheu o pé. Sem chances para o arqueiro atleticano.

Fabrício
Crédito da foto: Reprodução/Internet
Quinto

Não perca as contas, ok? Pois é. Com tantos gols assim fica difícil.

O tento de número cinco da Raposa saiu em jogada magistral de Roger, que driblou vários marcadores e cruzou “com a mão” para Wellington Paulista. O matador não perdoou e cabeceou para a baliza. O zagueiro Leonardo Silva chegou ainda a tirar a bola, mas ela já havia passado a linha e o gol foi validado.

wp9
Crédito da foto: Jorge Gontijo/EM/D.A Press
Gol de honra

Em cruzamento rasante de Leonardo Silva, seu parceiro de zaga, Réver, empurrou a bola para o barbante. Porém, como o massacre já estava feito, nada adiantou.

Sexto

Pra fechar a conta, o lateral Everton Maranguape fez o último. Após bom lance do paraguaio Ortigoza, só restou a Éverton empurrar, numa dividida, a bola para as redes, nos acréscimos do segundo tempo. 6 a 1.

TBT #5: Cruzeiro 6x1 Atlético - 38ª rodada do Brasileirão de 2011
Crédito da foto: Reprodução/Internet

Sequência

Após o massacre de Sete Lagoas, o Cruzeiro findou sua permanência na elite do futebol nacional. Além disso, escreveu mais uma página heroica e imortal, ao bater o rival vivendo essa situação e por esse placar.

Que 2011 foi um ano para se esquecer é fato, mas desse jogo em especial o torcedor azul vai se recordar para sempre.

Reencontro

Técnico celeste no jogo, Vágner Mancini atualmente treina o Atlético-MG. Agora, oito anos depois, a torcida celeste espera que ele não possua o mesmo êxito que outrora.

Ficha Técnica

Cruzeiro 6×1 Atlético-MG

Local: Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Data: 04 de dezembro de 2011 (domingo)
Horário: 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Assistentes: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Júlio César Rodrigues Santos (CBF-RS)
Cartões amarelos: (Cruzeiro) Leandro Guerreiro, Roger, Diego Renan (Atlético-MG) Pierre, Richarlyson
Cartões vermelhos: (Cruzeiro) Wellington Paulista (Atlético-MG) Werley
Gols: Cruzeiro: Roger, aos oito, Leandro Guerreiro aos 28, Anselmo Ramon aos 33 e Fabrício aos 45 minutos do primeiro tempo; Wellington Paulista, aos 11 e Everton, aos 45 minutos do segundo tempo
Atlético-MG: Réver, aos 15 minutos do segundo tempo

Cruzeiro: Rafael, Léo, Naldo, Victorino e Diego Renan; Fabrício, Leandro Guerreiro, Charles (Farías) e Roger (Ortigoza), Anselmo Ramon (Everton) e Wellington Paulista. Técnico: Vágner Mancini.

Atletico-MG: Renan Ribeiro; Serginho (Magno Alves), Leonardo Silva (Werley), Réver e Richarlyson; Pierre, Fillipe Soutto, Carlos César e Daniel Carvalho; Bernard e André. Técnico: Cuca.

Deixe seu comentário

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar