Início Curiosidades Pedidos de Ney Franco, Matheus Índio e Giovanni Piccolomo não atuaram com...

Pedidos de Ney Franco, Matheus Índio e Giovanni Piccolomo não atuaram com o treinador

Ney Franco pediu a contratação dos jogadores mas foi demitido antes de poder utilizá-los

Com a demissão de Ney Franco ocorrida neste último domingo (11), o Cruzeiro voltará a enfrentar um problema recorrente em demissão de treinadores e consequentemente no clube, que já vai para seu sétimo treinador diferente em um ano, boa parte dele sem futebol: jogadores indicados por técnicos que não permanecem no clube. E no elenco atual da Raposa acontece uma situação ainda mais curiosa. Os meias Matheus Índio e Giovanni Piccolomo foram pedidos de Ney e nem chegaram a jogar sob o comando deste.

Por causa da punição imposta pela Fifa ao Cruzeiro pela dívida envolvendo o atacante Willian Bigode junto ao Zorya, da Ucrânia, o clube celeste não pode inscrever novos jogadores. Cientes da pena, mas confiantes numa reversão desta, os diretores da Raposa acataram o pedido de Ney Franco e contrataram os dois jogadores, que seguem treinando com o elenco principal da equipe.

Mas o responsável pelo pedido dos jogadores, Ney Franco, foi demitido antes mesmo de poder colocar os jogadores em campo. Agora, tanto Matheus Índio como Giovanni Piccolomo permanecerão no elenco do Cruzeiro à espera do novo treinador celeste, que pode ou não aproveitá-los.

Matheus Índio

Revelado pelo Vasco da Gama, Matheus Índio foi emprestado e posteriormente vendido ao Estoril de Portugal tendo disputado poucos jogos pelo time principal do clube carioca. Na Europa, ainda atuou emprestado no Boa Vista, também de Portugal. O jogador está sem clube desde o mês de julho, após deixar o Estoril. Matheus tem passagens por seleções brasileiras de base.

Giovanni Piccolomo

Giovanni foi revelado pelo Corinthians em 2012, surgindo como grande promessa, mas demorou a vingar, tendo passado por muitos empréstimos. Foi cedido pelo clube paulista para Ponte Preta, Portuguesa, São Bento, Athletico Paranaense e Tigres-MÉX, até seu contrato com o Timão expirar. A partir daí recomeçou sua carreira no São Bento, passando por Náutico e Goiás até chegar ao Coritiba, no início de 2019. O jogador também tem passagens pelas Seleções Brasileiras de base.

Situações semelhantes

Recentemente o Cruzeiro passou por situações semelhantes com a de Matheus Índio e Giovanni Piccolomo. O lateral-esquerdo João Lucas foi um pedido de Adilson Batista e com demissão do treinador foi colocado de lado por Enderson Moreira. E Enderson também deixou jogadores no clube. Entre eles está o lateral-esquerdo Giovanni, contratado por indicação do treinador e que permanece no clube até hoje. A diferença dos casos é que os dois últimos citados chegaram a jogar com os comandantes que os solicitaram.

Veja mais: Passagem de Ney Franco pelo Cruzeiro durou um mês, sete jogos e produziu um aproveitamento pífio

Deixe seu comentário
Deixe seu comentário