Início Opinião Além da qualidade técnica, time do Cruzeiro precisa melhorar psicologicamente

Além da qualidade técnica, time do Cruzeiro precisa melhorar psicologicamente

Na noite de ontem (16), o Cruzeiro fez mais uma partida de qualidade técnica baixa. Além das dificuldades extracampo que a Raposa enfrenta, resultados como esse vem se repetindo ao longo do campeonato e estão afetando o psicológico dos jogadores.

Isso pode ser afirmado quando se observa três aspectos necessários para um jogador em campo: motivação, autoconfiança e concentração.

Motivação

O jogo contra o Oeste foi uma das piores partidas da história do Cruzeiro. A equipe começou tentando fazer uma marcação alta, que não deu certo. Com três volantes em campo, o time não criava e terminou desorganizado, com uma linha de defesa de seis jogadores.

No final do jogo, o capitão Manoel deu uma entrevista na qual afirmou: “Não sei o que fazer mais, não sei o que falar, não sei o que motivar mais meus companheiros para poder brigar do começo ao fim”. A fala do jogador expõe o desânimo dos jogadores.

Subir para a Série A deveria ser a maior motivação dos jogadores. Entretanto, depois de tanto “apanhar” no campeonato, o desabafo do zagueiro mostra que os atletas estão entregues em campo e não têm uma perspectiva.

Autoconfiança

Quando o coletivo não vai bem, se aposta na qualidade individual. Porém, isso não está acontecendo no Cruzeiro. Além das limitações do elenco, os jogadores não demonstram ter confiança na própria capacidade.

Nas disputas de bola, no homem a homem, os atletas do Cruzeiro desistem facilmente. De tal forma que preferem tocar para outro companheiro, que toca para outro companheiro e assim por diante. Dessa forma, o jogo fica parado no meio de campo, falta criatividade e ela está extremamente ligada a autoconfiança.

Veja bem, o problema não é o toque de bola e sim a não evolução disso em uma jogada ofensiva. Falta nos atletas a ousadia para tocar para frente e arriscar um ataque.

Concentração

A concentração dos jogadores é essencial no desenvolvimento positivo de um jogo de futebol. É a partir desse aspecto que o atleta vai conseguir se posicionar melhor em campo, acompanhar e pensar nas jogadas.

Além disso, é por meio da concentração que o jogador consegue absorver as diretrizes de um técnico e colocá-las em prática no campo. A principal dificuldade do Cruzeiro neste aspecto, tem se mostrado após os erros.

A cada gol perdido, a cada passe errado, os jogadores reagem como se aquela fosse a única chance do jogo, como se não houvesse mais alguns minutos para encerrar a partida. Ao passo que perdem uma chance, perdem também a concentração e assim por diante.

Felipão pode ser a solução?

A relação com o treinador é fundamental para a saúde psicológica dos jogadores. Ele é o responsável por estabelecer as estratégias que vão ser seguidas dentro de campo. Além disso, é o técnico que acompanha de perto o desenvolvimento dos jogadores, é ele quem faz as substituições e escolhe quem vai para o jogo ou não.

O papel do treinador também poder ser o de criticar, mas neste ponto, existem muitas maneiras de se fazer isso. Ele pode optar por ter um enfoque positivo, fazendo críticas construtivas e oferecendo as ferramentas para a melhoria daquele aspecto. Por outro lado, as críticas negativas podem minar a confiança dos jogadores.

O retrospecto dos técnicos no Cruzeiro em 2020 não é positivo. Embora não fosse notado um aspecto punitivo, algo na relação entre os treinadores e o elenco não estava certa. Porém, isso pode mudar com a chegada de Felipão.

Luiz Felipe Scolari é um dos técnicos mais vitoriosos do Brasil e é o sexto do mundo, com 27 títulos. Além de ter uma carreira vitoriosa, Felipão também é conhecido por abraçar os jogadores e construir dentro do time uma família.

Ele também pode conseguir tirar o melhor de cada jogador individualmente, além de saber armar bem uma equipe. No momento, Felipão se apresenta como um ótima solução para o Cruzeiro.

E como a administração do Cruzeiro lida com o psicológico dos atletas?

Visivelmente os aspecto psicológicos estão afetando os jogadores do Cruzeiro. E assim como os cuidados físicos necessários para um atleta, o mental vem se mostrando um dos mais necessários nesse momento.

O clube tem um Departamento de Psicologia que é compostos por um Coaching Esportivo. Esse profissional é responsável por atender individualmente os atletas. Além de realizar atividades coletivas, acompanhar treinos e jogos e fazer reuniões com os profissionais da comissão técnica e equipe multidisciplinar.

Veja mais: Cruzeiro 0 x 0 Juventude: veja as notas dos jogadores na partida desta noite

Deixe seu comentário
Deixe seu comentário